Você sabia – Rinite

O que é?

A rinite alérgica é uma reação imunológica do corpo a partículas inaladas que são consideradas estranhas. Essas substâncias são chamadas de alérgenos. O nariz é a porta de entrada para o ar e substâncias carregadas por ele, e tem a função de filtrar as impurezas, além de umidificar e aquecer o ar que vai chegar aos pulmões.

O indivíduo alérgico tem uma reação exagerada aos alérgenos. Seu sistema imunológico reage de forma intensa a estas substâncias estranhas na tentativa de defesa do organismo. Na crise da rinite, a pessoa apresenta obstrução nasal, coriza, espirros e coceira no nariz. Se a pessoa tiver uma predisposição para asma, pode apresentar também uma crise de asma, apresentando falta de ar e cansaço.

Sabemos que existe um componente genético nas alergias. Quando ambos os pais tem rinite, a chance de os filhos terem o problema chega a 50%. Quando a pessoa que carrega essa predisposição em contato com um alérgeno, passa a ser reativa a ele e não mais tolerar o contato. Essa reação em geral acontece nos primeiros anos de vida, mas pode ser mais tardia.

 Substâncias causadoras

Várias substâncias presentes no meio ambiente são alergênicas, mas predominam a poeira, o pólen e alguns alimentos. A poeira doméstica é a principal responsável pela rinite em São Paulo e em boa parte do Brasil. Esta poeira tem vários componentes, como restos de pelos de animais, descamação da pele humana e de animais e restos de insetos, bactérias, fungos e ácaros.

O contato com pólen é outra causa de rinite, que ocorre em geral na primavera e no início do outono, quando o pólen transportado pelo ar se encontra em níveis maiores. No Brasil, esta rinite sazonal é mais comum na região sul.

A repetição das crises de rinite pode desencadear complicações como infecções (sinusite, amigdalites, faringites e otites repetidas), levando à necessidade de uso repetido de antibióticos.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da rinite alérgica se baseia em uma análise do histórico dos antecedentes pessoais e familiares, dos sintomas, aliados aos achados do exame físico. Os testes alérgicos realizados na pele ou no sangue definem o diagnóstico etiológico.

O tratamento se baseia em:

  • Avaliação e controle de fatores que podem causar ou agravar a doença;
  • Controle dos ácaros da poeira no ambiente da casa, em especial no dormitório do alérgico;
  • Uso de medicamentos, utilizados no alívio das crises, controle da doença e prevenção de novas crises;
  • Imunoterapia (vacina para alergia), o único tratamento capaz de modificar a história natural da doença;
  • Remédios naturais como: raiz de Alcaçuz (glycyrrhiza glabra), Urtiga, mel, Chá verde e a Cúrcuma.